31 julho, 2009

Quase...

Sem horas para acordar. Com o pé na areia e no mar. Com a sensação de eu vou onde quero, quando quero. Sem ligar muito ao telemóvel, porque as responsabilidades vão ficar fechadas à chave na gaveta, enquanto eu me passeio pelo mundo.
Livre to 'do what I want'!
*Mal posso esperar pelas 17h30m.

Das mulheres de trinta

"São interessantes as afinidades entre Maria, de 'Play it as it Lays' de Joan Didion, e Marta, de 'Transa Atlântica' de Mónica Marques. Embora personagens pertencentes a universos distintos — geográficos, geracionais, culturais — as narrativas apanham ambas numa mesma faixa etária: a casa dos 30. Nesse específico período etático de uma mulher, que vai do golpe de misericórdia final na inocência ao primeiro vislumbre da crueldade do envelhecimento, a maioria já amou, deixou, sofreu, fodeu ou gritou. Umas, muito de tudo; outras, um pouco mais do que nada. Algumas foram ainda mães, sozinhas pelo caminho, sobretudo, ou muitas vezes nele tão mal acompanhadas. 'Maria' e 'Marta', cada uma à sua maneira, possuem gravado o código sentimental de um percurso universal e contemporâneo; feminino.
A uma aparente independência de costumes & vícios, legado da Modernidade, subsiste da mesma forma uma prisão consequente da imutabilidade da condição humana: a necessidade de afecto. Há também memórias — há sempre memórias — que despoletam no Presente receios e confusões; ou erros e omissões. As mulheres de trinta já sabem o que querem e muitas vezes também já o tiveram para consequentemente o perderem. Ou assim o crêem. Por culpa de incertezas, suas e de outrem, de abandonos, de desinteresses ou até das sogras, como algumas o fazem notar.
Em resumo e apesar de tudo, as mulheres de 30 ainda acreditam. Mas só mais uma vez."


(Não consegui deixar de fazer notar, aqui, este post de um blog do lado.)

29 julho, 2009

Passei para o outro lado.

Mais um ciclo que se fecha e um novo que se inicia.
Ou então não...
Se calhar, só um dia mais que passa.
Amei a surpresa. Adorei a vossa presença e, claro, a TUA em especial. O bolo estava fantástico. A pulseira tem o meu nome escrito e fica-me tãoooooo bem. :) Só resta dizer que sou FELIZZZZ (muito mesmo) por ter pessoas como vocês do lado.
ADORO-VOS eternamente!!!
(e não me canso de o gritar ao mundo)
Mil beijos doces da vossa Titá. hehehehe!!!

28 julho, 2009


"Quando a luta é comigo mesma,

de que lado é suposto estar

a pessoa que eu quero que esteja do meu lado?"



*Questão pertinente esta.

Não vos parece?! ;)

22 julho, 2009

" A voz era musical e segura, ao contrário dela que parecia ainda não mais do que uma miúda. Mas não era infantil, longe disso: tinha, sim, trejeitos de criança que, conforme o meu humor, ora a tornavam insuportável, ora irrestível. Juntava em si essa fabulosa combinação entre uma mulher sensual e uma criança desprotegida - a Marilyn que todos os homens desejam poder um dia proteger.
Ah, e falta dizer o mais importante: era generosa, aventureira, inconstante, doce de alma e de voz. Acreditava na amizade, na irresponsabilidade, na felicidade depois de tudo.."
*Miguel Sousa Tavares - No teu deserto (quase romance)

21 julho, 2009

“ Eu digo-te. Continuas em círculos, a exercer um poder que já não tem significado e que te traz desilusão. Continuas à procura de magicamente te encontrares, a partir de te poderem saber. Continuas a subir o sonho à procura do mito. Continuas num exercício de sedução que escraviza o objecto amado, acabando por desprezá-lo. E assim paradoxalmente desencantas-te, quando só, na volúpia reclinada da tua causeuse, imaginaste um príncipe.
Mas amar é reconhecer o outro como diferente e não como um prolongamento de nós mesmos. É misturar-nos sem o medo de morrer, de matar, ou de perecermos os dois. É podermos viver o sentimento oceânico que dilui limites e não sabermos por vezes onde “eu acabo e tu começas”.
Amar, é poder vir de coração descalço e dizer:
- Tem-me que sou tua!”

*Marta Gautier - Tanto que eu não te disse

We were given:

Two hands to hold,

two legs to walk,

two eyes to see,

two ears to listen,

but why only one heart?

Because the other was given to someone else.

For us to find.

20 julho, 2009

Numa saudade que tinha tão grande e desconhecia


Acabei a noite assim...
Já lá vão 12 anos desde que esta amizade nasceu. Começamos por ser 4 (assim aquele núcleo duro) que não se separavam nunca. Chegamos ao fim e eram mais 5, ficamos 9. 9 + 8, já que vocês andam sempre acompanhadas pelos vossos meninos, que se tornaram tão meus também. Depois veio mais 1 Afonso e mais 1 Ricardo e está mesmo para chegar mais 1 Benedita... Somos já tantos! Unidas numa praxe que nos juntou, seguida de festas académicas sem fim, jantares imensos, conversas e confissões intermináveis. Assim foi sendo, numa partilha sem igual a vida foi seguindo. Eu, a desnaturada, comecei a fugir, a fugir...numa outra vida tão diferente que me calhou. Apareço de ano a ano (na melhor das hipóteses). Tão perto que estou, estando tão longe ao mesmo tempo. Desta vez não podia falhar, tinha uma barriga enorme para ver, eram os 30 anos da Andreia... Estamos a deixar os intes, melhores do que nunca, confirma-se! Foi tãoooooooo bom ter os vossos abraços. Sentir que a amizade permanece e está para durar. A agradecer o carinho, a amizade incondicional, os beijos e abraços sentidos. A perdoar a ausência de quem tanto vos gosta... Quem sabe não começo a aparecer mais vezes e quem sabe não vou acompanhada para a próxima?! Fica o sentimento de querer mais, sempre mais, ver esses sorrisos e saber que estão mais felizes que nunca. Tão bom ter-vos na minha vida e saber que me gostam tanto. Também vos adoro de coração.
Ou como diria alguém que conheço EU AMO VOCÊ! :)

17 julho, 2009

16 julho, 2009

Só piora...

Ainda faz questão de me recordar que mais 14 dias e
abandono os 'intes' para todo o sempre...

*Xiunffffffffffffffffffffffff...
Buáááááááááá...Buáááááá...

15 julho, 2009

Caretas miles para vocês...

que em vez de terem pena de quem anda a trabalhar (feita escrava mesmo), ainda andam a enviar mensagens da praia...

Vou só ali chorar e já venho.

*Quero o divórcio dos 2!

14 julho, 2009

Não sei o que isto é,

tão pouco onde vai parar... o meu mundo abalou. Virado de pernas para o ar (assim se encontra). Sensações escondidas (ou, deveria dizer, esquecidas) voltam a surgir. Pior, ficam cada dia mais fortes. Já não sei bem quem sou. Começo a diluir-me... Em ESTADO LIQUIDO me encontro. Às vezes gostava de conseguir adivinhar o futuro. Mas, rapidamente me passa essa vontade, porque afinal fica tão melhor viver sem saber o que vai acontecer a seguir...

13 julho, 2009

Não estou mesmo a ver Miss M....


- 'O que é que tu és que parece "rúcula" mas que tem 4 silabas e começa por RI?'

O meu despertador tocou???


Onde devo ir agora?

*'Há cada coisa...'

Assim a vida fica fácil...

Quero voltar.
Porque aí estava bem (rodeada de traidoras que me abandonaram, mas muito bem). Porque matei saudades. Porque apanhamos sol. Porque choramos juntas. Porque partilhamos mais um pedaço de vida. Porque com vocês (não me canso de dizer) a vida fica muito melhor. Porque usamos 'palavras caras'. Porque rimos com gargalhadas profundas. Porque nos tentaram evangelizar. Porque dançamos como se não houvesse amanhã. Porque demos as mãos na relva e fizemos uma flor. Porque nos unimos em mais um abraço.Porque tiramos fotos para eternizar outro momento tão nosso. Porque vimos o pôr-do-sol e depois o seu nascer também.
Porque custou vir embora...

08 julho, 2009

Acordei

e constatei que a minha vida mudou. Como que num clic já nada é igual. Cansada de hospitais e de andar a conhecê-los todos como a palma da mão. Cansada de esperas intermináveis. Uma tese de mestrado para fazer e falta de vontade. Vontade de sol, praia e férias e sem tempo para isso. Quando há tempo, o S. Pedro não tem ajudado. Ou, então, está uma tosta incrível e eu em mais um dos 9 casamentos previstos para este ano. Já sei os votos matrimoniais de cor (quem diria) e nunca me casei. Eis se não quando, surgiu ainda algo mais para incluir na minha agenda e na minha vida... Alegria que nasceu. Saudades que se mataram, de algo que se desconhecia (ainda). Quero fugir daqui, para longe, e ter tempo só meu, sem compromissos ou agenda a pautar o meu ritmo. Fazer o que me apetece, quando me apetece.
(e um grito profundo se soltou!!!)
*Assim...Perfeito? Era levar-te comigo...

Softly

"This moment what could be more precious?
May it live forever may it live forever"

Lamb

07 julho, 2009

Achei que ainda havia alguma justiça no mundo,

mas, pelo visto, estava enganada!
Revolta, raiva, angustia...
grrrrrrrrrrrrrrrrrr

O dom feminino

"As mulheres aprendem a observar nos outros aquilo a que mais tarde chamam intuição. É uma qualidade quase exclusiva do foro feminino e é por isso que os homens que também a possuem chegam mais longe. A essa capacidade de antecipar a realidade, de ler no olhar uma subtileza, de interpretar a vontade e o medo nas batidas de um coração, os homens chamam-lhe instinto, as mulheres, intuição. É a intuição que diz a uma mulher que está a gerar uma criança mesmo antes de fazer o teste da gravidez, que indica os caminhos do coração quando a dúvida se instala, que lhe diz quando deve lutar por um homem ou desistir dele. É uma espécie de mapa interior, de guia invisível, de alarme adiantado à inevitabilidade da vida. A estes sinais, dados pelo acaso, por um centésimo de segundo de silêncio ou na troca furtiva de um olhar, é preciso interpretar o que sente e a partir daí perceber o que pode acontecer.Nunca acreditei em bruxas nem adivinhos, prefiro lê-los nas histórias do que vê-los ao vivo a deitar cartas ou a atirar búzios ao ar, até porque acredito que o futuro é bom exactamente pelo desconhecido que guarda, mas já acertei demasiadas vezes nas previsões que fiz para poder desconsiderar a minha intuição.O lado mau da involuntária omnisciência é conseguir cada vez menos que a vida me surpreenda, o que faz com que assista, quase de braços cruzados, a mudanças que não quero e nem sempre consigo aceitar. O lado bom é a antecipação de uma nova realidade e o tempo de preparação para enfrentar a tempestade que se avizinha, como fazem os habitantes das cidades por onde passam os furacões, trancando com tábuas a casa e o coração e esperando que passe depressa e provocando os mínimos danos possíveis.Vejo a intuição como um atributo da alma, um dom guardado entre o coração e a cabeça, para lá da inteligência e da razão. Uma espécie de voz acima da realidade, como um balão a gás quente que consegue ver mais longe do que o olhar alcança, um código de barras que se descodifica a ele próprio, um telescópio da anatomia dos sentimentos, porque tem muito mais a ver com o que se sente do que com o que se pensa, com o que se imagina do que com o que se vê, com o que se teme do que com o que se deseja, sentindo como certo aquilo que o entendimento ainda não captou.E é por isso que, quando o alarme começa a tocar, primeiro baixinho em tom de aviso, e depois, cada vez mais alto até me ensurdecer com a evidência que se aproxima, respiro fundo para ganhar forças e lembro-me que o futuro não é mais do que a projecção das sombras do meu passado, um lugar cómodo para arrumar os sonhos, no qual a imprevisibilidade e o mistério reinam e onde, talvez e apenas aí, a intuição descanse da sua sabedoria. Prefiro ter o dom da intuição a esperar placidamente pelo desconhecido, mesmo quando o desconhecido me traz todos os sonhos numa bandeja."
*MRP